Mães Perfeitas vs Mães Reais

Germany, Cologne, Mother and daughter smiling, close up

As mães perfeitas têm parto normal, sem anestesias e de preferência na água.

As mães reais têm o parto com que sonham (que até pode ser induzido para ser com o médico em quem confiam ou cesariana porque têm medo do parto “normal”) ou o que “calha” – porque por vezes há imprevistos. As mães reais importam-se, mas não fazem disso o seu cavalo de batalha.

 

As mães perfeitas amamentam sem dor, nem mamilos gretados, com pegas perfeitas desde o primeiro dia. As mães reais tentam amamentar, por vezes têm dores que se farta, muitas pedem ajuda e conseguem, outras desistem. Algumas mães reais decidem que nem sequer querem amamentar e dão, logo na maternidade, leite de fórmula ao seu bebé.

 

As mães perfeitas entendem os seus bebés desde o primeiro dia. Dormem quando eles dormem. Conseguem tomar banho e alimentar-se bem e sem stresse porque têm à sua volta uma enorme comunidade a trabalhar para elas – para que elas se possam concentrar apenas nos seus bebés. As mães reais por vezes desesperam. Tomam banho em segundos, comem diretamente do tuppware o que estava no frigorifico já preparado ou simplesmente fazem uns cereais com leite. Não conseguem dormir enquanto os seus bebés dormem de dia, primeiro porque não têm um botão de desligar, depois porque sabem que têm tudo de pantanas e ninguém que faça por elas.

 

As mães perfeitas acham que os seus filhos vão aprender a dormir sozinhos quando eles quiserem. Até lá não faz mal se acordarem várias vezes de noite. São só uns anos, elas aguentam, o casamento também… e até vão ter saudades desses tempos.

As mães reais, se não dormem, deixam cair coisas à sua volta… a saúde, o bom-humor, o casamento, a energia, o trabalho… em alguns casos, a vontade de estar com os filhos. Porque não dormir noites seguidas durante anos é tortura.

 

As mães perfeitas não gritam. Conversam. Não castigam, não batem. Abraçam. As mães reais gritam, por vezes dão uma palmada, castigam e voltam a gritar. Enervam-se. Arrependem-se. Beijam e pedem desculpa. As mães reais são humanas. E os filhos crescem sabendo que não são perfeitas.

 

As mães perfeitas fazem papas caseiras e não oferecem um grama de açúcar aos seus filhos. Nem alimentos processados. Nem frutas que não sejam bio. As mães reais por vezes calam-nos com umas batatas fritas ou com um chupa no supermercado.

 

As mães perfeitas escolhem as escolas perfeitas, mas só a partir dos 3 ou 4 anos porque até lá os miúdos estão em casa com elas. As mães reais por vezes têm de deixar os seus bebés aos 5 meses nas creches, de lágrimas nos olhos.

 

 

Estou todos os dias com mães. E vou encontrando – como me aconteceu hoje – muitas que vivem aflitas, frustradas e muito tristes porque lhes apontam constantemente à cara que não são “perfeitas”. Mas que raio de mulher perfeita é que aponta a alguém que sofre o dedo? Para mim é um ser muito imperfeito.

 

As mães são perfeitas. Todas. Desde que tenham por si e pelos seus filhos AMOR. A forma como o fazem é irrelevante. O importante é o sentimento.

Há muitas mães reais que têm o parto de sonho, amamentam até a criança querer, praticam parentalidade positiva/consciente, escolhem as melhores escolas… são informadas, praticam aquilo em que acreditam. São felizes assim. E estão correctas. Mas muitas mães reais fazem o contrário. E são felizes assim. E estão correctas.

São mães das suas crianças. Não são mães de mais ninguém, certo? Então porque é que certas pessoas acreditam que se lhes deve apontar o dedo?

É preciso bom-senso! É importante haver mais Empatia! Mais Compaixão! Porque aquilo que é o certo para mim e para a minha família pode não ser o certo para outras.

 

E já agora… para mim as mães devem ser imperfeitas mesmo! Tentar ser o melhor que sabem! Mas falhar! Os nossos filhos devem crescer reconhecendo e percebendo que damos o nosso melhor, mas que nem sempre fazemos tudo certo. Que se erramos, pedimos desculpa. Que se caímos, voltamos a levantar. Acredito que assim vão aceitar-se melhor. A si e aos outros.

Trackback from your site.

Comments

Leave a Reply